sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Sonata de Amor

“Se um dia todos os livros sagrados se perderem, mas não o Sermão da Montanha, nada terá se perdido”. A frase de Mahatma Gandhi (1869-1948), o grande líder da Índia, na luta pela independência do país, baseada na não-violência, reforça a importância e o legado eterno do Sermão do Monte.

Para muitos, se não for possível ler a Bíblia inteira, leia apenas o Novo Testamento; se não der para ler os 27 livros da nova aliança, leia os Evangelhos; se também não for possível ler as “Boas-Novas”, leia o Sermão da Montanha, sem dúvida alguma, “a mais linda sonata de amor das Escrituras Sagradas”.

“E Jesus, vendo a multidão, subiu a um monte, e, assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos; E, abrindo a sua boca, os ensinava, dizendo”.


Apesar de ter vivido na companhia de multidões, uma vez que as pessoas O buscavam o tempo inteiro, Jesus tinha a plena consciência de que muitos não entendiam a mensagem do Evangelho e, pior, não tinham a real dimensão do que estava acontecendo naquele momento da história da humanidade.

“Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus”.

Cada beatitude (ou bem-aventurança) inclui um pronunciamento de bênção. Os pobres de espírito são aqueles que reconhecem sua pobreza espiritual e, deixando de lado toda autodependência, procuram a Graça de Deus.

“Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados”.

Os que choram não são necessariamente pessoas consternadas, mas os que passam todos os dias pela experiência única do arrependimento.

“Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra”.

A palavra ‘mansos’ não tem a conotação de fraqueza. Na verdade, a terminologia encerra as idéias de humildade e autodisciplina. O que a Bíblia ensina é que devemos ser submissos à Palavra de Deus. Que devemos ser receptivos ao seu querer.

“Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos”.

Esta palavra dirige-se aos injustiçados. Entretanto, mais do que justiça material, a bem-aventurança sublinha a justiça espiritual. A mais genuína fome e sede às quais o ser humano deve aspirar são aquelas que se referem à justiça de Deus. Quando cremos em Cristo como Senhor e Salvador, cumpre-se, em nossas vidas, a mais bela justiça: a justiça divina, a que disciplina e recompensa.

“Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia"

Para além desta vida, o Senhor Jesus está se referindo à ministração da bondade, que, quando exercida pelo homem, o coloca como alvo da misericórdia que vem do alto, consumada na vida eterna oferecida por Deus.

“Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus”.

Limpeza de coração é a busca pela pureza da vida. É não se deixar vencer pelas tentações do mundo. É não concordar com a mentira, com a pornografia, com o desregramento, com a falta de reverência a Deus. Davi, embora sujeito ao pecado, era um homem de coração limpo; por isso, escreveu os salmos que lemos. Elias, embora sujeito às mesmas paixões, era um homem de coração limpo; por isso, realizou as proezas que conhecemos. João, embora sujeito ao fracasso, era um homem de coração limpo. Por isso, viu a glória da revelação.

“Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus”.

O crente precisa ser no trabalho, na vizinhança, na escola, na família e na igreja um ponto de união, um instrumento de agregação, um elemento que une, concilia e soma. Alguém capaz de ser “o bom perfume de Cristo”.

“Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus”.

Mais uma vez, o texto se refere à Justiça de Deus. Só goza da aventurança expressa no versículo acima descrito aquele que, em razão de seu amor a Jesus, se torna um perseguido pelos homens infiéis, pelos não-crentes.

Essas são algumas das beatitudes (bem-aventuranças) que quis destacar neste singelo texto. Embora o Sermão da Montanha tenha sido denominado ‘a constituição dos cidadãos do Reino de Deus’, nunca veremos seres humanos imperfeitos, ainda que cristãos, atingir o nível de perfeição ali proposto.

Jesus inicia as bem-aventuranças, o preâmbulo desta constituição, considerando exatamente a nossa incapacidade. Assim, quem começa admitindo as falhas está em melhores condições de experimentar as bênçãos.

As bem-aventuranças expressam a qualidade de vida que Deus pretendeu dar a humanidade desde o princípio – uma vida de bênçãos. A palavra ‘bem-aventurado’ também pode ser traduzida por feliz. Quanto mais nos aproximamos dos padrões de Deus, tanto mais experimentamos Suas bênçãos.

O Sermão da Montanha, que vai do capítulo 5 até o capítulo 7 do Livro de Mateus, reforça ainda várias outras situações, como as diferenças materializadas no mundo pelo cristão, atributos como fidelidade e honestidade, a contraposição do amor à vingança, uma vida cristã autêntica, a confiança que devemos depositar sempre e unicamente em Deus e a plenitude do Reino.

14 comentários:

Iara, Rio de Janeiro disse...

Amo o Sermão da Montanha. Não existem ensinamentos mais belos do que aqueles. Jesus é o máximo. Deus é maravilhoso.

Patrício Figueira disse...

Muito bom o texto, Alex.

Fui muito abençoado.

Miracy Rodrigues disse...

Parabéns pelo texto, irmão.

Muito edificante.

Seu blog é muito abençoado.

Elisângela disse...

Não sabia que Gandhi tinha essa visão das coisas de Deus. Muito interessante. Ouvi dizer que ele esteve perto de se converter ao Cristianismo. Vc sabe alguma coisa sobre isso?

Parabéns, Alex.

Alex Malta Raposo disse...

É verdade, Elisângela.

Alguns sites afirmam que ele esteve próximo da conversão.

Provavelmente, acabou não concluindo esse processo em função de suas raízes filosóficas, políticas e espirituais.

Uma pena para ele que era, sem dúvida alguma, um homem especial.

Deus abençõe.

Márcio Santos disse...

É...teve a compreensão da verdade, mas acabou não aceitando Jesus.

É um ensinamento. Jesus não veio ao mundo para ser admirado, mas para ser o centro de nossas existências.

Alex Malta Raposo disse...

É verdade, Márcio.

Obrigado pela visita.

Andréa Machado disse...

Mais do que ler Mateus, de 5 a 7, precisamos guardar essas beatitudes verdadeiramente no coração. Parabéns pelo texto, Alex.

Cristi@ne Augusto - disse...

Paz do Senhor Jesus Cristo querido. Linda mensagem da palavra de Deus...tremendo! Obg pela visitinha e por acompanhar o meu infinito...Graça e PAz de Cristo!

Jeanne disse...

Muitos, de fato, desconhecem a influência cristã que Gandhi sofreu. A pergunta: "Em seus passos o que faria Jesus", lida por ele num livro de Leon Tolstoi foi levada mais a sério por ele do que por muitos cristãos.

Muitos líderes hindus chegam a atribuir o princípio da não-violência, a principal filosofia de vida e de luta do grande líder indiano, à influência que as palavras de Cristo exerceram sobre ele.O próprio Gandhi considerava Jesus como a fonte da qual aprendeu princípios como a humildade, a reconciliação, o sacrifício e a persuasão moral por meio do exemplo.

E aí nós nos perguntamos: o que impediu alguém, que pautou toda sua vida na mensagem de Cristo, de se converter ao evangelho?

Creio de vários fatores como a imensa dificuldade dele de compreender a graça de Deus, de aceitar a perfeição de Jesus e, principalmente, a disparidade que via entre Cristo e os cristãos.

Como ele mesmo dizia "Eu gosto de Cristo... mas não de seus cristãos.Seus cristãos são tão diferentes de seu Cristo".

Um episódio, por exemplo, que ele, Gandhi, nunca superou foi a dor de ter sido impedido de adentrar uma igreja cristã, na África do Sul, pela cor de sua pele.

"Apedrejar profetas e, mais tarde, levantavam igrejas em sua memória tem sido a prática do mundo durante eras. Hoje, adoramos Cristo, mas o Cristo encarnado nós o crucificamos". Dizia Gandhi.

O que fica, de tudo isso, como lição para nós, discípulos de Cristo, é o quão distante ainda estamos de expressar por meio de nossos atos e sentimentos toda a misericórdia, graça, amor, humildade, perdão e longanimidade que o nosso Mestre nos ensinou.

Alda Lorenn disse...

Meu Irmão Alex,
Obrigada por suas palavras.
Assim como você, procuro ser usada por Deus em toda ferramenta disponível a mim.

Que sua vida continue a disposição do Senhor, todos os dias e em todas as circunstâncias.

Paz de Cristo !

Anônimo disse...

Muito bom o texto. Parabéns.

Alexandre Vidal disse...

Texto muito edificante.

O Sermão da Montanha é a nossa bússola aqui na Terra.

Parabéns, Irmão.

Ernesto Vizienza disse...

Ontem, já de madrugada, comecei a navegar pelos blogs dos meus amigos. De repente, me deparei com um que tinha este endereço.

Revolvi arriscar e me surpreendi. Que blog legal. Bons textos. Vídeos muito interessantes. Agradável. Bonito.

O irmão está realmente de parabéns. Estarei sempre visitando este edificante e abençoador espaço. Graça e Paz.