terça-feira, 20 de outubro de 2009

Reformar ou regressar?

A história relata que, durante a Reforma Protestante, iniciada no século XVI, Martinho Lutero manteve acaloradas discussões com João Calvino por discordar de sua visão reformista. Enquanto Lutero queria reformar a Igreja Católica, Calvino acreditava que ela já se encontrava tão desfigurada, vilipendiada e degenerada que não havia mais como reformá-la. Divergindo do monge alemão, o teólogo francês desejava organizar uma Igreja que, na sua doutrina, se aproximasse da chamada Igreja Primitiva.

Nos últimos tempos, em virtude de uma infinidade de equívocos doutrinários cometidos pela atual igreja cristã, temos ouvido muito acerca da necessidade imperiosa de uma nova reforma.

Apesar de concordar com a urgência desse movimento de caráter eminentemente subversivo, fico me perguntando a que corrente devemos nos filiar: a que, guiada pelo ideal luterano, defende uma reforma de tudo que está aí ou a que, alinhando-se à visão calvinista, propõe a criação de um novo modelo eclesiástico, baseado no retorno aos tempos da igreja primitiva?

Quando penso em reforma, principalmente levando em consideração o grau de deterioração da maioria das doutrinas contemporâneas, lembro de algumas passagens: “não se deita vinho novo em odres velhos; rompem-se os odres, e entorna-se o vinho, e os odres estragam-se; mas deita-se vinho novo em odres novos, e, assim, ambos se conservam”. Da mesma forma, “ninguém deita remendo de pano novo em roupa velha; o remendo novo rompe o velho, e a rotura fica maior”.

É intuitivo observar que Lutero, no fundo, queria o mesmo que Calvino: promover um glorioso retorno da igreja ao passado. Só que ele queria fazer isso partindo de uma ordem pré-existente, utilizando estruturas inteiramente carcomidas e desencadeando uma verdadeira defenestração doutrinária. E é aí que a coisa se complica. Como partir de um paradigma tão corrompido para retornar a uma concepção espiritual e existencialista tão pura?

“E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações. E em toda a alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos. E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum. E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister. E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração, Louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar”. Atos, Cap. 2.

Mesmo não sendo favorável a uma nova reforma, mas, sim, ao surgimento de uma igreja cristã capaz de reproduzir, no seu dia-a-dia, a pureza de coração, o senso humanitário coletivo e o amor incondicional vistos e celebrados em Atos dos Apóstolos, concluo este singelo artigo reverenciando as Cinco Solas, princípios fundamentais da Reforma Protestante:

Sola fide (somente a fé);
Sola scriptura (somente a Escritura);
Solus Christus (somente Cristo);
Sola gratia (somente a graça);
Soli Deo gloria (glória somente a Deus).

Durante a Reforma Protestante, foram proclamadas 'Cinco Verdades' com a palavra "somente" visando enfatizar os ensinos equivocados do catolicismo romano. Estas verdades distinguem historicamente os evangélicos dos católicos romanos, que creem na tradição (em acréscimo à Bíblia), nas obras (em acréscimo à fé e à graça) e nos santos mortos (em acréscimo a Cristo), resultando na glória do homem (em acréscimo à glória a Deus).

14 comentários:

Ricardo Mamedes disse...

Caro Alex,
Não resta a menor dúvida que a igreja protestante se encontra recalcitrante quanto a manter a pureza dos seus princípios. O que vemos, normalmente, é o abandono do Evangelho real em prol de "teologias" anti-bíblicas e heréticas com a finalidade única de fazer inchar igrejas. E isso, inclusive, nas igrejas históricas, como a Batista, da qual sou membro. Espero que haja esse retorno aos princípios da reforma, mas sei não... Muito bom o seu blog. Voltarei mais vezes.
Caso queira, visite o meu blog: ricardomamedes.blogspot.com

Alex Malta Raposo disse...

Ricardo,

Obrigado pela visita ao Evangelho da Graça. Tb gostei muito do seu blog.

Já li dois textos. Rs. Maravilhosos.

Peço a Deus que a blogosfera não tenha nascido para alimentar vaidades ou para qualquer outra bobagem do tipo, mas, sim, para reafirmar a necessidade de uma grande volta aos dias da verdadeira Igreja Cristã.

Que o Senhor Deus continue abençoando a sua caminhada. Forte abraço.

Pastor Julio disse...

Belíssimo artigo, mais um pensamento me deixa intrigado, os pensamentos de lutero e calvino, não dependiam apenas nos erros da doutrina católica, mais um rol de fieis, pois para não os abandonar a uma doutrina cega, a reforma significaria a salvação dos pensamentos do fieis a uma sã doutrina. neste caso fica a parábola do filho pródigo, que por mais errado que seja não deve ser abandonado.
Agradeço a visita ao IDAGOSPEL, e também estarei sempre por aqui fique na grasça!

Fernanda Sempres disse...

Querido irmão,

Mesmo não tendo o hábito de deixar comentários, gosto muito de navegar na nossa querida blogosfera cristã.

Ainda não conhecia o seu blog e, devo dizer, fiquei encantada com a qualidade dos textos e vídeos.

Esse último, em especial, me abençoou muito, uma vez que concordo em gênero, número e grau com a necessidade de voltarmos a simplicidade da igreja dos primeiros apóstolos.

Temo que isso acabe, em função de inúmeros interesses, sendo algo muito difícil de acontecer na prática. O homem nunca esteve tão corrompido quanto agora.

Mesmo diante disso, só nos resta continuar pregando o que tem que ser pregado. Somos porta-vozes da subversão a tudo de ruim que caracteriza atualmente a igreja.

Na paz do Senhor,

Alex Malta Raposo disse...

É verdade, Fernanda.

Mudarmos o que está aí não será fácil. No entanto, se aqueles que se sentem incomodados com tanto equívoco e desmando acharem que seus esforços serão inúteis, não tenha dúvida, tudo ficará ainda pior. Imagine, por exemplo, se Lutero não tivesse acreditado nas próprias idéias de subversão? Acho que a igreja já teria se transformado em qualquer outra coisa. Entretanto, mais do que apontar falhas, acho que o movimento de subversão deve ser feito a partir das verdadeiras posições cristãs. Sejamos, cada vez mais, diferentes deles. Na santidade, na generosidade, no compromisso, na fidelidade, no amor ao próximo e a Deus. Penso que a verdadeira reforma ou volta aos primeiros tempos da igreja deve ser desencadeada a partir de uma grande reafirmação dos valores, práticas e ensinos cristãos. Um forte abraço e muito obrigado pela visita e pelo comentário postado.

Patrício Figueira disse...

Muito bom artigo.

Esse é o verdadeiro tom que se deve dar a nova reforma.

Sem exageros e extremismos.

Parabéns, Alex.

O blog tá cada vez melhor.

Fábio Menen disse...

Graça e paz irmão!

Obrigado por seguir meu blog; já estou seguindo o seu. Estou lendo seus textos e os acho muito edificantes. Virei sempre aqui beber dessa fonte. Seu texto sobre Reformar ou regressar é de nos fazer pensar mesmo. Um grande abraço.

Laura Pinheiro disse...

caro irmão alex, o que penso sobre o assunto é que não precisqamos de reforma precisamos apenas olhar somente para Cristo, Deus não quer templos abarrotados de gente, ele quer apenas adoradores, muitos querem o evangelio dos milagres mas não querem o Deus de milagre, tá faltando o carater de DEus nesta geração corrompida, onde muitas veses buscamos a Deus cheios de interesse, menos adora-lo de verdade!

fique na paz!

Palavra do Bem disse...

Parabéns pelo Blog! Seu blog é mto convidativo... nos permite conhecer um pouco da história, tem momentos de entrenenimento... Parabéns Mesmo! que Deus Te ABençoe Sempre!

Gilson Barreto disse...

Parabéns pelo texto, Alex.

Muito edificante.

Penso exatamente como vc.

Reformar o que está doente?

Precisamos apagar tudo e reescrever a história.

Abraço fraternal.

Geziel Silva Costa disse...

Ótimo blog Alex,
já estou aqui.

Abração.
Geziel

a verdade do evangelho disse...

Meu a amado irmão Alex, parabéns pelo excelente post. Creio que o que precisamos é de um retorno urgente á Bíblia, pois foi justamente o desprezo á Bíblia que levou a igreja a precisar de uma reforma.

Obrigado por visitar o meu singelo blog. Foi muito bom descobrir o seu blog.

Pb. Edinei, Th.B

Diego Batista disse...

Gostei muito de seu Blog, muito oportuno.. Que Deus possa sempre te abençoar.. abraço

Diego Batista
http://conversandocomiave.blogspot.com/

Joely Rosa disse...

Que belo artigo.

Muito bom.

Que o Senhor continue abençoando a sua vida e a de sua família.

Parabéns.