terça-feira, 12 de janeiro de 2010

O preço do "show"

Prossigo reiterando que este blog não foi concebido para detratar quem quer que seja, em especial os nossos presumíveis irmãos de fé. No entanto, é da natureza deste humilde espaço reforçar posições, coibir estelionatos espirituais e denunciar toda e qualquer agressão ao Evangelho de Jesus.

Infelizmente, ‘algo de podre’ vem emergindo no seio do crescente, idolatrado e cada vez mais rico mercado gospel brasileiro.

É inacreditável como as pessoas que participam desse segmento perderam inteiramente o foco. Não cantam mais para exaltar o nome do Senhor Deus, não possuem mais a proposta de abençoar seus ouvintes. Transformaram-se em ‘artistas gospel’, em ‘estrelas evangélicas’, em ‘reproduções seculares’.

É importante salientar, entretanto, sob pena de cometermos injustiças, que não se pode colocar todo mundo no mesmo barco. Ainda creio que exista muita gente boa fazendo música com o propósito majoritário de glorificar o nome de Deus e abençoar milhares de pessoas. Pena que, por tudo que tenho visto, ouvido e testemunhado, esse pessoal seja uma exceção e não uma regra.

Hoje pela manhã, conversando com um conhecido de Salvador, fiquei ainda mais convicto dessa realidade. Após 15 anos dedicando-se à promoção de shows seculares, ele converteu-se e passou a realizar eventos com cantores evangélicos. Alguns com bilheteria e em espaços fechados, outros em igrejas e sem qualquer fim lucrativo. Tudo seria maravilhoso se hoje ele não estivesse profundamente decepcionado e pensando em desistir de tudo. “Depois de três anos, estou seriamente inclinado em voltar a promover shows com Djavan, Gilberto Gil e Caetano Veloso. Se é para aturar vaidades, melhor, então, que seja com eles. É duro suportar pessoas que, nos bastidores, dão ataques de estrelismo, mas, no palco, viram verdadeiros anjos sem asas”.

O quase ex-promotor gospel revela que a gota d’água para o seu desânimo foi a tentativa de trazer para Salvador uma cantora evangélica carioca. Ao estabelecer o primeiro contato com o ‘empresário’ da moça, quase caiu da cadeira com a lista de exigências. “Além de várias solicitações técnicas, como luz, som e palco, o cidadão disse que ela só saía do Rio de Janeiro por 20 mil reais, mais alimentação, hospedagem e passagens de avião. Até aí, tudo bem. Fiquei horrorizado mesmo quando ele ainda acrescentou que o camarim deveria estar munido de 25 toalhas de rosto de uma marca importada, dez buquês de rosas e, pasme, vários alimentos caríssimos, entre eles caviar beluga”,

Deus do céu. No que esse troço se transformou?

Renato Vargens conta que, há algum tempo, “um pastor amigo relatou que uma cantora ao chegar em sua igreja perguntou: "aonde está o segurança contratado para me acompanhar?” O pastor respondeu: "segurança? que é isso minha irmã? aqui na minha igreja não tem isso não. Aqui todo mundo anda sozinho." A tal cantora, ao ouvir a resposta do pastor, devolveu: "Pastor, não faça isso. Não vou conseguir andar na igreja. Todo mundo vai querer me tocar".

Outro amigo de Vargens relata uma segunda experiência vivida ao conhecer as “condições” para contratar uma cantora gospel.

“Entre a imensa lista de exigências feitas pela cantora para ‘louvar a Deus’, destacavam-se um carro novo com ar condicionado e motorista particular para ela e para seu marido; passagem aérea para 14 pessoas pela empresa TAM; contratação de duas vans: uma com 16 lugares para o transporte de sua equipe e outra para os equipamentos; hospedagem em hotel de categoria máxima, com um quarto diferenciado para a ‘cantora’ e para seu marido; refeições em um restaurante (jamais no próprio hotel) que disponibilizasse o seu café da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar; equipamento de show e mapa de palco de acordo com suas estipulações; e, por fim, como se todas essas exigências não bastassem, 25 mil reais pela apresentação. Isso mesmo. Vinte e cinco mil reais por uma hora e meia de ‘show’. Além disso, ela ainda exigiu que nenhuma gravação em áudio ou em vídeo seja realizada durante o evento”.

Meus irmãos, onde é que fica Deus nisso tudo?

A outra face do atual mercado gospel é o ‘profissionalismo’ das gravadoras. Atualmente, elas faturam milhões de reais por mês, conduzindo, de forma cada vez mais tirânica, seus negócios e seus ‘pupilos adoradores’. Segundo pessoas que passaram por essas fábricas de ilusões, se o sujeito estiver vendendo muito, permanece no elenco. Se passar a vender pouco, é sumariamente descartado. “É a lei do mercado”, dizem os rejeitados.

Voltando para as coisas de Deus: “ao contrário de muitos, não negociamos a Palavra de Deus visando lucro; antes, em Cristo, falamos diante de Deus com sinceridade, como homens enviados por Deus." (II Coríntios 2.17).

Sobre o assunto, obviamente enfrentado com maior amplitude, indico uma entrevista concedida pelo Reverendo Caio Fábio. Na oportunidade, Caio discorre sobre a história da música evangélica brasileira, incluindo aspectos como louvor profético, música gospel, trajetória dos levitas e a verdadeira adoração.

11 comentários:

Barbosa Bitencourt disse...

Olá, Alex. Por tudo isso e por muitos outros aspectos, ouço atualmente apenas trabalhos de pessoas que, realmente, possuem um ministério. Ministério completamente apartado da ganância, da vaidade e do famoso 'esquemão gospel'. É isso aí. Valeu, meu irmão!

Eloá Queiroz disse...

Já ouvi muita música gospel. Hoje ouço menos. Meu desinteresse começou em função das músicas gravadas. A qualidade começou a cair muito. Letras bobas, rasteiras, artificiais. No entanto, praticamente parei de escutar quando comecei a conhecer o universo das gravadoras e dos 'artistas'. Tenho um primo que trabalha em São Paulo com esse pessoal. Toda vez que ele me conta algum absurdo, fico ainda mais desgostosa com tanta hipocrisia. Excelente postagem.

Alex Malta Raposo disse...

Em se tratando de música gospel, infelizmente, está prevalecendo o que alguns sempre recomendaram (os menos fundamentalistas, claro) para a música secular, ancorados, inclusive, na própria Bíblia. Assim, é essencial 'analisar tudo e reter o que é bom'. Existe música secular boa e música secular ruim. Existem canções cristãs maravilhosas e outras que não merecem essa classificação.

Larissa Ferraz disse...

Oi, Alex. Como é que foi de Natal, Reveillon e Férias? E Jeane e Amandinha? Espero que todos estejam bem. Estou retomando minha atividades de comentarista. Risos. Beijo grande. Com relação ao seu último post, realmente vale muito a pena estudar e debater o assunto. A coisa tá meio esquisita, né? Graças a Deus, como vc coloca, ainda tem gente que merece ser ouvida. Com relação aos outros, que tal a gente orar por eles? Amanhã a comentarista Larissa Ferraz tá de volta.

Claudio Silva disse...

O mundo gospel virou um mercado muito bem organizado e cruel, com raras excessões.
Mas para o mercado existir tem de existir consumidores e eles se criam em função das campanhas publicitárias patrocinadas pelas gravadores.
Acho que cabe aqui replicar um comentário que fiz em um texto chamado - A patética retórica do ator gospel - publicado no blog Emeurgência sobre hipocrisia que tem muito a ver com este "show" de astros e estrelas decadentes.

http://www.emeurgencia.com/2010/01/patetica-retorica-do-ator-gospel.html

"O texto me lembrou da leitura que fiz do comentário sobre a palavra “hipócritas” de Mateus 6:2. que transcrevo abaixo:

“Vem do verbo grego que significa –replicar- . O substantivo era usado para indicar “aquele que replica”, e, no uso e desenvolvimento dessa palavra, veio assumir o significado de “ATOR”, partindo da idéia que atores replicam uns para os outros. Finalmente o termo passou a significar “ator” em coisas sérias, até adquirir o sentido moderno, “hipócrita”.
Essa palavra é usada por vinte vezes no NT, e sempre no mau sentido. Lucas usou a forma verbal por uma vez (Lc 20.20), com o sentido de fingir.
As autoridades profanavam a prática religiosa, transformando-a em peça de teatro, chegando ao cúmulo de atrair as multidões, que aplaudiam o espetáculo. “A sua recompensa era o aplauso da audiência.”

O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Vol 1 pag 319.

São profissionais que cobram cachês e benésses para representar com uma teatralidade digna de Oscar.
Porém eles só sobrevivem em função de uma platéia ávida deste tipo de espetáculo.
Misericórdia a estes manipuladores e suas platéias cativas.

Alex Malta Raposo disse...

Larissa, fico muito feliz com a sua volta. Vc e seus comentários fazem muita falta. Aqui, graças a Deus, estamos todos bem. Só não pudemos desfrutar ainda das nossas férias, que só deverão acontecer no próximo mês de março. Com relação ao artigo, concordo plenamente com vc. Precisamos orar por esse pessoal. Enquanto isso, prossigo sem ouvir muita gente que, atualmente, só canta para ganhar dinheiro. E, profissional por profissional, ouço quem tem mais talento.

Valdir disse...

Esse tema é um barril de pólvora. As opiniões se multiplicam. O importante, em função disso, é continuarmos orientando o debate. Valeu, Alex.

NilmaBostonRio disse...

.
Eu também, quase caí da cadeira ao tomar conhecimento de até que ponto chegou as exigências...
Oh my God !!!


by NilmaBostonRio

Gilmara. disse...

Alex! Olá, td bem?
Vim retribuir a visita la em casa e dizer que gostei daqui. Voltarei pq me identifiquei com teu espaço. Vi q admira Caio Fábio, assim como eu. Tb sou cristã. Tive curiosidade em ler o livro " pq vc nao quer mais ir à igreja". Amanhã msm irei em uma livraria. Vi tb q gosta de filmes...seu gosto é apurado. Vai uma dica ai: assista, qd puder, Som do coração. Mt bom. Gd abraço e fique na doce Paz do nosso amado Mestre!

Gil :)

Alex Malta Raposo disse...

Obrigado, queridos. Pelas visitas e pelos comentários. Forte abraço e que o Pai lhes abençõe.

Anônimo disse...

Olá irmão Alex. Infelizmente essa é a realidade no meio gospel de hoje, muito estrelismo e pouco evangelho. Salvam-se poucos, dentre os quais quero destacar aqui o grupo Logos...os mesmos vieram na minha cidade aqui no interior de Goias,ministraram e depois ficaram hospedados na casa de irmãos da igreja, isso por que antes estávamos procurando uma lugar com estrutura melhor por que o templo aqui é humilde, mas eles fizeram questão de ministrar no templo pequeno e velho.Vidas foram tremendamente abençoadas. Deus abençõe o pastor Paulo Cesar e seu ministério, realmente pregam e vivem o evangelho de Jesus.